T. 11 3846.3272 / 3846.3273 | contato@cukiert.com.br
Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues, 247 - 12° and. Cj. 21
São Paulo/SP - Brasil - CEP 04544-000

Clínica de Epilepsia | Trabalhos em Congressos

TRATAMENTO DA HIPOMANIA PÓSOPERATÓRIA PRECOCE COM VALPROATO EM PACIENTES SUBMETIDOS A CORTICO-AMÍGDALO-HIPOCAMPECTOMIA

A Cukiert, JA Burattini, JO Vieira, PP Mariani, C Baise, C Baldauf, M Argentoni, L Frayman, VA Mello, L Seda, RLB Camara, PRS Mendonça.

Serviço de Cirurgia de Epilepsia, Hospital Brigadeiro e Clínica de Epilepsia de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil.

INTRODUÇÃO: Um quarto dos pacientes submetidos à cortico-amígdalo-hipocampectomia (CAH) para tratamento de epilepsia refratária têm alterações psiquiátricas durante o período pós-operatório imediato. A maioria dos mesmos não necessita tratamento específico. Nós relatamos o resultado do tratamento da hipomania pós-operatória usando valproato na população de pacientes acima mencionada.

MATERIAL: Quatro pacientes submetidos a CAH (1 à esquerda e 3 à direita) que desenvolveram hipomania durante a primeira semana de pós-operatório foram estudados. Nenhum deles tinha uma história prévia de tratamento psiquiátrico, e em todos eles a hipomania interferiu claramente com as atividades diárias.

RESULTADOS: Três pacientes foram tratados com valproato 500 mg/dia (por 2,3 e 6 meses respectivamente) e 1 com 2000mg/dia (ainda sob tratamento após 1 ano). Em todos os pacientes, os sintomas de hipomania regrediram imediatamente após o início do valproato. Somente o paciente que recebe 2000 mg/dia necessitou de tratamento prolongado.

CONCLUSÃO: O uso de valproato em baixas doses é efetivo no controle pós-operatório da hipomania após CAH. A maioria dos pacientes necessitaria somente de baixas doses por breve tempo.