T. 11 3846.3272 / 3846.3273 | contato@cukiert.com.br
Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues, 247 - 12° and. Cj. 21
São Paulo/SP - Brasil - CEP 04544-000

Clínica de Epilepsia | Trabalhos em Congressos

NEUROPSICOLOGIA DO CORTEX PERICOLATERAL

Ana Regina Caner-Cukiert, Arthur Cukiert, Mario Andrioli, Cassio Forster, Viviane Ferreira, Leila Frayman.

Serviço de Cirurgia de Epilepsia, Hospital Brigadeiro e Clínica de Diagnóstico e Terapêutica das Epilepsias de São Paulo.

O papel da formação hipocampal nos processos mnésticos parece já estar bastante sedimentado, bem como a sua importância na gênese de crises epilépticas. Mais recentemente, vêm-se estudando cada vez mais o papel dos giros fusiforme e parahipocampal nos processos mnésticos e na epileptogenese. Ao contrário da esclerose hipocampal, lesões seletivas dos giros parahipocampal e fusiforme (separados pela fissura colateral) são bastante raras tornando-se difícil atribuir funções neuropsicológicas aos mesmos. Descrevemos os achados neuropsicológicos em 1 paciente com lesão seletiva destes giros. E.A., 6 anos, possuía crises parciais simples e complexas sem automatismos refratárias, diárias, há 1 ano. EEG mostrava foco temporal esquerdo. SPECT intercrítico mostrava extensa área de hipofluxo temporal esquerdo. A RMN mostrava área displásica restrita ao córtex parahipocampal lateral e fusiforme medial (região pericolateral) anteriores. Foi submetido à córtico-amígdalo-hipocampectomia anterior. Os cortices descritos encontravam-se displásticos e o resto do córtex normal. O hipocampo era normal. Encontra-se sem crises desde a cirurgia. Os achados neuropsicológicos envolviam intensa dificuldade em nomeação, com fluência verbal normal. Havia também deficit de memória verbal, porém menos intensa do que aquela observada em pacientes com esclerose mesial. O QI global era de 115. Estes dados sugerem, que da mesma forma que em primatas sub-humanos, os giros parahipocampal/fusiforme participam dos processos mnésticos, possivelmente de modo distinto daquele exercido pela formação hipocampal. São também altamente epileptogênicos e geram síndrome clínica semelhante aquela da esclerose mesial, possivelmente por utilizar o hipocampo como via final de saída e amplificação de sinal.