T. 11 3846.3272 / 3846.3273 | contato@cukiert.com.br
Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues, 247 - 12° and. Cj. 21
São Paulo/SP - Brasil - CEP 04544-000

Neuroendocrinologia | Trabalhos em Congressos

UTILIZAÇÃO DE CELLUSTRIPR EM PROCEDIMENTOS NEUROCIRÚRGICOS COM GRANDE MANIPULAÇÃO CEREBRAL OU ESPAÇO EXÍGUO

Racional: A utilização intraoperatória de cotonóides faz parte da técnica microcirúrgica convencional. Os mesmos são utilizados para auxiliar na hemostasia, remover fluidos do campo cirúrgico e na retração de estruturas. Apesar de seu uso ser universal, os diferentes cotonoides possuem características distintas no que diz respeito às suas capacidades de absorção, modelagem ao cérebro, espaço físico ocupado pelos mesmos, liberação de resíduos (“fiapos”), qualidade do marcador radio-opaco e do fio de localização. Estudamos os cotonóides CellustripR em procedimentos neurocirúrgicos onde havia grande manipulação cerebral ou espaço de trabalho exíguo.

Material: Cento e vinte e oito pacientes (47 crianças; 51 do sexo masculino) foram estudados. Sessenta e um pacientes foram submetidos à craniectomia transesfenoidal para tumores de hipófise e 67 a craniotomias para ressecção cortical para epilepsia refratária. Em todos os procedimentos, CellustripR foi o único cotonóide utilizado.

Resultados: CellustripR mostrou adequados em ambos procedimentos. Nos procedimentos com ressecção cortical, moldava-se adequadamente ao encéfalo, não aderindo ao mesmo ou aos hemostáticos e não soltando resíduos. Havia facilidade em aspirar fluidos, em especial cefaloraquiano, através do mesmo. Pequenos sangramentos eram facilmente controlados através do mesmo. Os fios de localização não se soltarão em nenhum momento. Os marcadores radiopacos não foram testados pois não realizamos R-X intra-operatório. Nas cirurgias transesfenoidais, as mesmas características acima foram notadas; a pequena espessura dos mesmos mostrou-se especialmente útil nestes casos, onde o campo cirúrgico era extremamente restrito.

Conclusão: CellustripR mostrou-se adequado para os procedimentos neurocirúrgicos decritos acima. O desenvolvimento de cotonóides desta natureza já embebidos em soluções hemostáticas pode representar um novo avanço no futuro.