T. 11 3846.3272 / 3846.3273 | contato@cukiert.com.br
Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues, 247 - 12° and. Cj. 21
São Paulo/SP - Brasil - CEP 04544-000

Neuroendocrinologia | Trabalhos em Congressos

REMISSÃO CLÍNICA PÓS-OPERATÓRIA DE ACROMEGALIA COM NÍVEIS PLASMÁTICOS DE IGF-1 PERSISTENTEMENTE ELEVADOS

Cukiert A, Liberman B, Goldman J, Rossi-Silva ME, Nogueira K, Jacob RS, Burattini JÁ, Mariana PP, Vieira JO, Mendonça PRS

Departamentos de Endocrinologia e Neurocirurgia do Hospital Brigadeiro e Clínica Neuroendócrina de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil.

INTRODUÇÃO: Os critérios utilizados na determinação da remissão da acromegalia incluem nível plasmático baixo de GH (< 2,5 ng/ml) e GH< 1 ng/ml após GTT. Mais recentemente, a determinação de IGF-1 tem sido rotineiramente realizada e valores normais seriam esperados em pacientes curados pela cirurgia. Esse trabalho analisa pacientes com acromegalia que foram submetidos à cirurgia e revelaram baixos níveis de GH, GTT normal e níveis persistentemente elevados de IGF-1.

MÉTODOS: Oitenta e seis pacientes acromegálicos adultos submetidos à cirurgia foram estudados. Todos os pacientes foram operados através do acesso transesfenoidal e realizaram RNM de alta resolução pré e pós-operatórias, determinação dos níveis plasmáticos seqüenciais de GH e IGF-1 e GTT. O tempo médio de acompanhamento foi de 12,4 meses (3-28) para toda a série.

RESULTADOS: No geral, 56% dos pacientes entraram em remissão clínica da acromegalia (93% dos microadenomas não-invasivos, 60% dos macroadenomas não-invasivos e 7% dos micro- ou macroadenomas invasivos). Doze pacientes foram considerados em remissão (GH<2 e GTT normal), mas mantiveram níveis persistentemente elevados de IGF-1 durante o acompanhamento (período médio de acompanhamento de 7,4 meses). O nível pré-operatório médio de GH foi de 18 ng/ml (7-80) e de IGF-1 de 820 ng/ml (390-1920); o nível médio pós-operatório de GH foi de 0,7 ng/ml (0,08-1,5) e de IGF-1 409 ng/ml (330-490). Todos os pacientes possuíam imagens de RNM pós-operatória mostrando ausência de tumor residual, exceto 1. Em dois dos pacientes, a invasão do seio cavernoso foi documentado intraoperatoriamente; todos os outros possuíam tumores não-invasivos.

DISCUSSÃO: Alguns pacientes acromegálicos podem ser considerados em remissão mas tem níveis persistentemente elevados de IGF-1. Nossos pacientes tiveram níveis de IGF-1 que, a despeito de serem anormais (média de 409 ng/ml; média acima do limite normal de aproximadamente ~320 ng/ml), não foram extremamente elevados. Um paciente foi acompanhado por 19 meses e ainda persiste com IGF-1 elevado. O papel patofisiológico desses níveis de IGF-1 anormais permanece desconhecido. Até o momento, parece razoável acompanhar esses pacientes sem tratamento adicional, até que possamos entender melhor a dinâmica dos níveis de IGF-1.