T. 11 3846.3272 / 3846.3273 | contato@cukiert.com.br
Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues, 247 - 12° and. Cj. 21
São Paulo/SP - Brasil - CEP 04544-000

Neuroendocrinologia | Trabalhos em Congressos

FUNÇÃO GONADOTRÓFICA E CORTICOTRÓFICA APÓS CIRURGIA TRANSESFENOIDAL EM PACIENTES PORTADORES DE TUMORES SELARES E DA REGIÃO SELAR

Fernando Pimentel-Filho, Luis R. Salgado, Arthur Cukiert, Mirta Knoefelmacher, Marcia Nery, Jaime Goldman, Bernardo Líberman.

Serviços de Endocrinologia e Neurocirurgia do Hospital Brigadeiro- São Paulo - SP.

Dezesseis pacientes portadores de tumores da região selar que foram tratados cirurgicamente e que possuíam deficits funcionais dos eixos somatotrófico ou corticotrófico foram submetidos a teste de tolerância à insulina pré- e pós-operatoriamente. Sete pacientes possuíam adenomas não-funcionantes, 5 possuíam prolactinomas, 3 craniofaringiomas e 1 possuía cordoma de clivus. Todos os pacientes possuíam macro-tumores e nenhum deles foi submetido à radioterapia durante o período do estudo. Sete pacientes possuíam deficiência isolada do setor somatotrófico, 4 isolada do setor corticotrófico e 5 possuíam deficiência de ambos os setores. Cinco pacientes com deficiência isolada do setor somatotrófico, 4 com deficit isolado do setor corticotrófico e 3 com ambos setores deficientes obtiveram melhora funcional pós-operatoriamente. Novos deficits do setor corticotrófico ocorreram em 2 pacientes, que necessitaram reposição de esteróides por longo prazo. Estes dados sugerem que deficits endócrinos pré-operatórios podem ser revertidos pela descompressão cirúrgica da região selar e que novos deficits causados pela cirurgia são raros. Estes pacientes devem ser retestados pós-operatoriamente do ponto de vista endócrino para se determinar a necessidade de terapia de reposição hormonal.