T. 11 3846.3272 / 3846.3273 | contato@cukiert.com.br
Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues, 247 - 12° and. Cj. 21
São Paulo/SP - Brasil - CEP 04544-000

Clínica de Epilepsia | Trabalhos em Congressos

RESULTADOS DA CALOSOTOMIA MAXIMIZADA NAS EPILEPSIAS GENERALIZADAS SECUNDÁRIAS (EGS) REFRATÁRIAS

Arthur Cukiert, Cassio Forster, Leila Frayman, Viviane Ferreira, Elcio Machado, Jose Augusto Buratini, Alcione Sousa.

Serviço de Cirurgia de Epilepsia do Hospital Brigadeiro e Clínica de Epilepsia de São Paulo, São Paulo SP.

Introdução: Secções calosas têm sido propostas como tratamento paliativo das EGS refratárias. Calosotomias anteriores têm sido propostas na maioria dos centros, em uma extensão de cerca de 50%. Deficits neuropsicológicos têm sido relatados devido à retração hemisférica durante calosotomia. Este estudo relata a experiência com secções calosas maximizadas (90%) realizadas sem o uso de retração mecânica do cérebro.

Material: Quinze pacientes portadores de EGS refratária foram submetidos à calosotomia maximizada (90%). Após a realização de craniotomia frontal 2/3 à frente da sutura coronária, a porção mais anterior do corpo caloso era exposta após a dissecção da fissura interhemisférica e seccionada. Não se utilizam retratores. A porção mais posterior do corpo caloso era aspirada por seu interior sem dissecção da fissura interhemisférica, até a região do esplênio, que era mantido intacto.

Resultados: Quatro pacientes estão sem crises desde a cirurgia. Os outros 11, apresentaram importante redução (>90%) de todos os tipos de crises generalizadas, sendo as tônicas as mais resistentes. Houve ruptura da sincronia bilateral secundária em todos os pacientes em vigília e no sono. Não ocorreu síndrome de desconexão hemisférica tardia. Em paralelo à importante diminuição da frequência de crises, ganhos cognitivos eram evidentes, mesmo nesta população de pacientes com retardo cognitivo pré-operatório.

Discussão: A calostomia maximizada parece obter melhores resultados clínicos e de ruptura de sincronia bilateral secundária do que as calosotomias anteriores. O procedimento pode ser realizado sem uso de retração cerebral. Surpreeendemente, cerca de 1/3 dos pacientes estão sem crises, fato não esperado pré-operatoriamente em um procedimento paliativo como a calosotomia.