T. 11 3846.3272 / 3846.3273 | contato@cukiert.com.br
Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues, 247 - 12° and. Cj. 21
São Paulo/SP - Brasil - CEP 04544-000

Clínica de Epilepsia | Trabalhos em Congressos

REGISTROS ICTAIS versus ESTIMULAÇÃO CORTICAL NA LOCALIZAÇÃO DE FOCOS EPILÉPTICOS EXTRA-TEMPORAIS
UM ESTUDO COM ELETRODOS INVASIVOS

Buratini JA, Argentoni M, Ferreira VB, Cukiert A, Forster C, Frayman L, Ferreira VB, Machado E, Sousa A, Vieira J.

Serviço de Cirurgia de Epilepsia do Hospital Brigadeiro e Clínica de Epilepsia de São Paulo, São Paulo SP.

Introdução: Pacientes com epilepsias refratárias extratemporais (EReT) e RM normal ou multifocal frequentemente necessitam de investigação neurofisiológica invasiva na fase diagnóstica para ressecções corticais. Através destes eletrodos pode-se então realizar registros ictais bem como estimulação cortical. Este estudo relata a acurácia comparada em termos de localização espacial dos registros ictais e da estimulação cortical.

Material: Oito pacientes consecutivos com EReT e implantados com eletrodos subdurais foram estudados. Três pacientes foram implantados bilateralmente e de modo simétrico. Em todos foram registradas múltiplas crises e realizada estimulação cortical com pulsos quadrados, 100 Hz, 0,1 msec duração, 4-8 mA de intensidade.

Resultados: Em 7 pacientes foi possível obter a crise típica do paciente através de estimulação cortical. Em um dos pacientes implantados bilateralmente, a crise foi obtida no hemisfério contralateral ao foco e não ipsolateralmente. Todas as crises foram obtidas a partir de 1 ou no máximo 2 eletrodos e portanto de áreas bastante restritas da corticalidade. As áreas epileptogênicas definidas pelos registros ictais envolveram sempre no mínimo 4 contatos. Em todos os pacientes a ressecção envolveu a área definida pelos registros ictais. Seis pacientes estão sem crises e 2 em Engel II. Cinco dos 6 pacientes onde a área a partir da qual pode-se obter crises por estimulação coincidia com os registros ictais estão sem crises.

Discussão: Obter as crises típicas do paciente por meio de estimulação elétrica de regiões bem localizadas do córtex transfere certa sensação de segurança na indicação de ressecções corticais em pacientes com EReT implantados com eletrodos subdurais. No entanto, algumas vezes a estimulação não é capaz de desencadear estes episódios e em pacientes com epileptogênese mais difusa pode fazê-lo de maneira equivocada. A congruência entre os achados ictais e de estimulação provavelmente traduzem melhor prognóstico.