T. 11 3846.3272 / 3846.3273 | contato@cukiert.com.br
Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues, 247 - 12° and. Cj. 21
São Paulo/SP - Brasil - CEP 04544-000

Clínica de Epilepsia | Trabalhos em Congressos

ESPRAIAMENTO INFRA-SYLVIANO EM EPILEPSIA FRONTAL

Abram Topjewski, Arthur Cukiert, Francisco Lucas, Mario Andrioli, Cassio Forster, Viviane Ferreira, Leila Frayman.

Neuropediatria e Neurofisiologia, Hospital Albert Einstein e Clínica de Diagnóstico e Terapêutica das Epilepsias de São Paulo.

A epileptogenese frontal é processo menos compreendido do que a temporal. O lobo frontal envolve na verdade vários "lobos", que dão origem a diferentes padrões críticos: a convexidade frontal, o cortex mesial, a área motora suplementar e a região fronto-basal. Ademais, a área epileptogênica frontal costuma ser mais extensa e a presença de epileptogenese multifocal (multilobar) mais comum nestes casos. O lobo frontal comunica-se com o temporal por meio dos fascículos uncinado e arqueado. No entanto, a interação entre os 2 lobos na epileptogênese não é bem entendida. Este estudo relata caso de paciente com epilepsia frontal onde espraiamento infra-sylviano das descargas foi bem documentado. M.Z., 4 anos, possuía crises desde os primeiros dias de vida. As crises eram tônicas, rápidas, com predomínio postural esquerdo, multiplas no dia com predomínio inicialmente no sono, e refratárias. O EEG intercrítico mostrava descargas fronto-temporais esquerdas e direitas, independentes. Por vezes, notavam-se crises eletrográficas sobre o lobo frontal direito. O EEG crítico mostrava início frontal direito com espraiamento para o temporal do mesmo lado. O SPECT ictal mostrou hiperfluxo frontal e temporal direito. A RMN mostrou lesão frontal direita (displasia). Ela foi submetida à ressecção frontal sob eletrocorticografia. Não havia descargas temporais. Encontra-se sem crises desde a cirurgia. A despeito do SPECT e EEG crítico documentarem o envolvimento do lobo temporal neste paciente, o padrão clínico e crítico não sugeriam envolvimento secundário do mesmo. O resultado cirúrgico sugere que o lobo temporal não participava da gênese das crises. A despeito da íntima relação anatômica entre estes 2 lobos, a epileptogenese pode ser restrita a um dos dois, mesmo quando ocorre envolvimento funcional de ambos.