T. 11 3846.3272 / 3846.3273 | contato@cukiert.com.br
Rua Dr. Alceu de Campos Rodrigues, 247 - 12° and. Cj. 21
São Paulo/SP - Brasil - CEP 04544-000

Clínica de Epilepsia | Trabalhos em Congressos

AGENESIA DE SEPTO PELÚCIDO (ASP) E EPILEPSIA REFRATÁRIA

Argentoni M, Ferreira VB, Cukiert A, Forster C, Frayman L, Ferreira VB, Machado E, Buratini JA, Sousa A, Vieira J.

Serviço de Cirurgia de Epilepsia do Hospital Brigadeiro e Clínica de Epilepsia de São Paulo, São Paulo SP.

Introdução: A ASP pode representar apenas variação anatômica mas pode também estar associada a distorções outras da linha média, como distúrbios hipotalâmicos, atresia de vias ópticas etc. Epilepsia refratária não tem sido diretamente associada à presença de agenesia de septo pelúcido. Este estudo relata pacientes com epilepsia cirúrgica portadores de ASP.

Relatos de caso:

Paciente I - RS, 26 anos, possuía crises parciais simples motoras esquerdas desde os 3 anos de idade, diárias. EEG interictal demonstrou descargas fronto-centrais direitas. EEG ictal não foi localizatório. RM mostrou displasia cortical precentral direita e de cíngulo direito associadas a ASP. Foi submetido ao implante subdural e mapeamento neurofisiológico. Realizou ressecção frontal direita anatômica com confirmação da área displásica. Encontra-se sem crises desde então. Não ocorreram crises no pós-operatório imediato. Paciente II- RO, possuía crises visuais à direita e crises parciais complexas com automatismos desde os 5 anos de idade, com uma frequência de 1x / semana. RM foi normal exceto pela ASP. EEG interictal mostrava descargas em todo o hemisfério esquerdo. EEG crítico não foi localizatório. Foi submetido a implante subdural de quadrante posterior esquerdo e à ressecção occipital esquerda a seguir. O especimen cirúrgico demonstrou pequena área displásica não visível à RM. Encontra-se sem crises desde então. Não ocorreram crises no pós-operatório imediato.

Discussão: A associação entre ASP e epilepsia refratária é incomum. Apesar do pequeno número de casos, pode haver associação entre ASP e displasia cortical focal. Apesar do aspecto de "grande ventrículo" à RM deixado pela ASP, estes pacientes não se comportam como hidrocefalias compensadas no pós-operatório imediato. Estes últimos possuem com grande frequência crises atípicas no pós-operatório imediato.